“Pessoas felizes são mais produtivas”

Sediada em Leça do Balio, a Hilti Portugal desenvolve software, ferramentas, serviços e tecnologias para os profissionais da construção civil. Este ano, voltou a ser considerada a ‘Empresa Mais Feliz do País’ e é um dos exemplos que vai poder conhecer no Porto RH Meeting, onde Francesco Bandini, diretor-geral, explicará o que é preciso para ter colaboradores felizes.

 

A Hilti foi considerada, pelo Happiness Works, a Empresa Mais Feliz do País em 2019. O que faz da Hilti uma empresa feliz e onde as pessoas querem trabalhar?
É importante começar por referir que ser a Empresa Mais Feliz para Trabalhar não é para a Hilti um objetivo por si só, mas o resultado de uma genuína paixão por aquilo que fazemos. Na base da cultura da empresa Hilti encontramos a Performance e as Pessoas, e termos presentes estas duas dimensões no nosso dia a dia garante uma parte do sucesso da Hilti como boa empresa para trabalhar. O facto de ouvirmos as pessoas e agirmos com base na sua opinião confirma que a estratégia é implementada com ações concretas e assertivas.

Existem vários exemplos que promovem, na sua plenitude, aquilo que entendemos por “tratar bem as nossas pessoas”. Reconhecemos as pessoas pelos bons resultados, através de distinções, ao mesmo tempo que promovemos iniciativas como cabaz de Natal, pequeno-almoço disponível na sede, flexibilidade horária, aulas de ginástica laboral, plataforma online com protocolos em várias áreas, aposta na formação, oferta de dias de férias adicionais, seguro de saúde extensível ao cônjuge e descendentes…Tudo isto porque pessoas felizes são mais produtivas.

Um bom salário ainda é o suficiente para motivar os colaboradores? O que é que os colaboradores mais valorizam numa organização?
As realidades das pessoas têm vindo a mudar ao longo dos anos e temos atualmente dentro da Hilti diferentes gerações com diferentes necessidades. Podemos afirmar que o salário é, sem dúvida, um fator-chave para a motivação das pessoas porque lhes permite a concretização de objetivos pessoais, contudo, existem outros fatores que ajudam a promover a sua confiança e empenho nas organizações.

Se há um par de anos o que era relevante era manter um emprego estável, atualmente, as pessoas procuram oportunidades de evolução, têm necessidade de se sentirem desafiadas para assumir novos projetos ou até novas funções. As empresas de hoje têm esse desafio e devem ter sempre presente um plano que promova o acompanhamento de objetivos, avaliações, formações e o desenvolvimento de carreira.

Acresce ainda a importância de transmitir uma visão clara do caminho e dos objetivos para que se revejam no projeto e sintam orgulho da empresa que representam.  E finalmente, na minha opinião, há um elemento que tem mudado e se tem tornado cada vez mais relevante nas novas gerações: sentir orgulho na empresa onde trabalham. Conhecida pela sua cultura, valores de integridade e sustentabilidade. E nisto, a Hilti está, definitivamente, muito à frente.

Quais são hoje, na sua opinião, os maiores desafios na gestão de Recursos Humanos?
Um dos maiores desafios que temos vindo a sentir são as mudanças de gerações. Há cada vez mais necessidade de nos adaptarmos a estas gerações que trabalham de forma diferente, usam as tecnologias rapidamente e correm atrás de concretizações. Felizmente a Hilti é uma empresa que teve sempre na base da sua estratégia as pessoas. O foco no capital humano permite-nos ajustar estratégias, trabalhar antecipadamente nas mudanças e gerir as expectativas de todos.

Como caracteriza a ‘Cultura Hilti’?
Construir um futuro melhor é o que nos motiva a fazer aquilo que fazemos. Isto significa ajudar os nossos clientes a construir de forma mais rápida, mais segura, mais ousada e estarmos conscientes do legado que deixamos. Queremos ter orgulho da marca que deixamos no mundo, queremos construir uma empresa onde cada colaborador é valorizado, cresce e tem sucesso na sua carreira. Queremos construir relações abertas, de confiança e de sucesso com os nossos clientes, parceiros e fornecedores. Tudo isto faz parte da Cultura Hilti e distingue-nos no nosso mercado.

Como imagina as organizações do futuro?
A forma de trabalhar e as skills necessárias vão mudar ao longo dos tempos. Antevejo que será necessário um perfil de trabalhadores com fortes competências interpessoais e menos ao nível de conhecimentos técnicos/especializados. O digital é a ferramenta que vai contribuir para todas as mudanças, com a possibilidade de trabalho remoto, e será igualmente um facilitador e agente de produtividade. Acredito que evoluímos para um melhor equilíbrio trabalho-vida.

Gostou deste artigo?
Subscreva a newsletter quinzenal do blog RHBizz. Clique aqui.