DRH Mercadona: “Ter um modelo como base ajuda-nos a ser coerentes na tomada de decisões”

DRH Mercadona: “Ter um modelo como base ajuda-nos a ser coerentes na tomada de decisões”

Quase três anos depois de ter anunciado a internacionalização para o mercado português, a Mercadona abriu no passado mês de julho a sua primeira loja em Portugal. Com cerca de 900 colaboradores portugueses, a empresa de retalho prevê chegar aos 1100 até ao final do ano. Maria João Ferreira, Diretora de Recursos Humanos da Mercadona Portugal, vai estar no Porto RH Meeting 2019 para explicar de que forma a empresa está a preparar a equipa portuguesa para o crescimento da marca. 

A Mercadona abriu há meses a sua primeira loja num mercado que não é aquele onde nasceu. De que forma adaptaram a cultura da empresa à cultura do nosso País?

Quando iniciámos o nosso projeto de internacionalização, assumimos uma postura de humildade e constante aprendizagem do mercado e dos hábitos de consumo locais. Também em Recursos Humanos adotámos essa mesma estratégia e, para o conseguir, demos dois passos fundamentais: por um lado, fizemos um estudo aprofundado do mercado português, das suas leis e especificidades e, por outro, constituímos a equipa de RH com colaboradores portugueses que conhecessem o contexto laboral. Somos uma empresa portuguesa, de origem espanhola, cuja cultura empresarial está assente no Modelo de Qualidade Total, transversal a ambos países, e que se baseia na satisfação de cinco componentes: o Chefe (que é como designamos internamente o Cliente), o Trabalhador, o Fornecedor, a Sociedade e o Capital. Ter um modelo como base ajuda-nos a ser coerentes na tomada de decisões e, no caso concreto de Recursos Humanos, a implementar medidas que promovam a satisfação e o compromisso do segundo componente: o Trabalhador.

A Mercadona é uma empresa que, devido à natureza do seu negócio, é conhecida por todos. Que impacto é que isso tem na vossa estratégia de employer branding?

Consideramos que o nosso Modelo e as políticas de Recursos Humanos subjacentes e que temos vindo a implementar, promovem a satisfação dos colaboradores e, consequentemente, convertem-se num fator de atração.  Estas políticas consubstanciam-se na criação de emprego estável e de qualidade, formação a cargo da empresa, possibilidade de progressão de carreira, salários competitivos no seu setor de atuação e fomenta valores como a equidade, igualdade, entre outros. Devido a esta política diferencial, a Mercadona tem uma equipa coesa, repleta de talento e com a capacidade de melhorar constantemente.

Quais são, hoje, os maiores desafios na gestão de recursos humanos?

O mercado laboral evolui e nós, como empresa, temos de acompanhar essa mesma evolução. A Mercadona aposta, de forma sustentável, na captação e retenção de talento, assim como na qualidade laboral, sendo conscientes do esforço de melhoria constante neste âmbito. A evolução e a transformação constantes em que a Mercadona se encontra imersa não seriam possíveis sem a paixão e o alto nível de compromisso de todas as pessoas que fazem parte da empresa.