RHBizz

Digital learning: quais as vantagens?

À medida que as empresas de todo o mundo avaliam o impacto do surto de COVID-19, há cada vez mais empresas a assumir a necessidade de investimento em ferramentas digitais para a formação das equipas. Com reuniões, viagens de negócios e sessões de formação presenciais a serem canceladas, a equipas de RH responsáveis pelo desenvolvimento e formação têm agora a oportunidade de criar soluções que permitam às equipas continuar a aprender mantendo o distanciamento.

De acordo com o portal Training Industry, todos os anos, as empresas de todo o mundo gastam cerca de 350 mil milhões de dólares em formação e educação corporativa, mas uma grande parte não é eficaz. De acordo com um estudo publicado pelo LinkedIn, apenas 8% dos CEO’s consideram que os seus investimentos em formação e desenvolvimento tiveram impacto no negócio, o que justifica a necessidade de criar programas de formação e metodologias mais eficazes.

E numa altura em que nos está a ser pedido que mantenhamos o distanciamento social, as ferramentas digitais para a formação podem ser uma solução para continuar a acompanhar a sua equipa e para os ajudar a construir novas competências.

Mobile Learning e Video-on-demand

Se pensar no seu dia-a-dia, tanto em contexto profissional como pessoal, perceberá que utiliza múltiplos dispositivos. É por isso que a formação deve, mais do que nunca, estar acessível através de diversos dispositivos, oferecendo aos formandos uma experiência integrada e flexível.

O vídeo é uma das melhores formas de combinar entretenimento, informação e simplicidade para enriquecer os conteúdos consumidos através de dispositivos mobile. Este vídeo, que ensina a fazer uso das histórias para passar uma mensagem de forma impactante, é um bom exemplo de como se pode colocar os conteúdos multimédia ao serviço do desenvolvimento de competências.

O que é o storytelling?

Ecossistema de aprendizagem

O estudo ‘2018 Workplace Learning Report’, do LinkedIn, mostrou-nos que 68% dos colaboradores das organizações preferem aprender no seu local de trabalho, que 58% preferem aprender ao seu próprio ritmo e ainda que 49% querem ter a possibilidade de aprender quando sentem essa necessidade. Os departamentos de formação e desenvolvimento das organizações estão mais do que nunca a ser pressionados para garantir um ecossistema de aprendizagem que corresponda às expetativas das suas equipas. Depender de um único modelo já não é o suficiente. É preciso criar experiências individualizadas e personalizadas.

Inteligência artificial

A formação do futuro utilizará inteligência artificial para criar uma experiência de aprendizagem adaptada às necessidades individuais de cada formando. Os chatbots com IA são, por isso, uma das maiores tendências de formação, com estas ferramentas a serem integradas em processos de formação para simular conversas entre um formando e um computador com capacidade para responder a dúvidas.

Gostou deste artigo?
Subscreva a newsletter quinzenal do blog RHBizz. Clique aqui.